A dieta e sua relação com a pele

Qual o impacto da sua nutrição na sua pele e no seu envelhecimento? 

OBESIDADE

A obesidade tem maior prevalência em grupos etários mais avançados, por uma multiplicidade de fatores, onde predominam a menor taxa metabólica e menor atividade. Com o estado hiperglicêmico frequente neste quadro, associado à resistência periférica à insulina, há um maior risco de glicação.

Um estudo teve como objetivo investigar a associação entre o metabolismo da glicose e a idade aparente. A idade percebida foi avaliada utilizando fotografias faciais, e a glicemia média e insulina foram medidas em 602 indivíduos, divididos em 3 grupos: diabéticos, não diabéticos com agrupados de acordo com os níveis de glicemia. Houve uma correlação significativa entre o aumento da idade percebida e os níveis glicêmicos dos pacientes estudados, demonstrando que mesmo em indivíduos não diabéticos, os níveis de glicose estão associados a uma idade aparente superior.

Da mesma forma, dietas hiperglicídicas seriam fatores predisponentes ao envelhecimento cutâneo, devido ao maior risco de glicação.

 

DIETAS HIPOPROTÉICAS

Dietas com baixo teor proteico estão relacionadas a problemas na cicatrização, sobretudo em indivíduos mais idosos, cuja ingesta ou aproveitamento podem estar reduzidos.¹² ¹³ 

Não há estudos investigando o efeito de dietas vegetarianas ou veganas na pele, nem no processo de envelhecimento. Sabe-se contudo que é necessário um cuidado rigoroso para a reposição proteica nos adeptos destas dietas, o que é possível, mas pode ser mais trabalhoso. 

Até o presente momento, um artigo de metanálise demonstrou que a dieta vegetariana resultou num efeito protetor significativo para doenças cardiovasculares (-25%) e incidência total de câncer (-8%), assim como a vegana (-15%).

Ainda em relação à carne vermelha, um estudo de coorte com 2.753 participantes demonstrou que o consumo de carne vermelha estava associado a um maior número de rugas faciais em mulheres, enquanto um consumo predominante de frutas estava associado a menos rugas.

DIETA RICA EM ANTIOXIDANTES 

Micronutrientes com atividade antioxidante estão presentes em vários alimentos de origem vegetal, e uma dieta variada incluindo estes alimentos já alcançam as necessidades diárias. Entretanto, quando o estresse oxidativo está presente, antioxidantes provindos da dieta podem não ser suficientes, sobretudo nas faixas mais avançadas.

Um estudo realizado com mulheres alemãs e japonesas demonstrou uma correlação inversa entre níveis séricos de antioxidantes e quantidade de rugas, onde os antioxidantes predominantes diferiram entre os grupos étnicos (efeito protetor nas alemãs mais pronunciado para alfa tocoferol e retinol, e nas japonesas, betacaroteno, licopeno e retinol).

Compostos como polifenóis e antioxidantes exógenos como vitaminas C e E, assim como outros que não podem ser sintetizados devem ser obtidos a partir da dieta. Como a efetividade dos sistemas antioxidantes endógenos se reduzem com a idade, a suplementação exógena em doses fisiológicas podem ser uma estratégia protetora.