Cuidados com o cabelo: por que os fios caem no pós-Covid?

Meses de dedicação e cuidados com o cabelo — hidratação, dieta equilibrada etc. Até que vem a Covid-19 e, após a recuperação, os fios começam a cair. Já aconteceu com você?

Essa é a realidade de cerca de 1/3 das pessoas que tiveram o diagnóstico da doença, mesmo em quadros assintomáticos.

Abordamos, a seguir, como isso ocorre e que tratamentos podem ajudar.

Como a Covid-19 pode prejudicar os seus cuidados com o cabelo

Ainda não está bem elucidada a causa da queda de cabelo no pós-Covid, mas a teoria mais aceita é a do eflúvio telógeno. Esse é o termo dado à queda precoce dos fios e de forma generalizada, em todo o couro cabeludo.

Isso pode ocorrer pelo estresse físico e psicológico ao lidar com a infecção, medicamentos utilizados para tratar a Covid-19 ou até mesmo uma alteração de coagulação, que o vírus desencadeia, a qual impede o fluxo de sangue para os fios e compromete a sua nutrição.

Doenças virais costumam causar queda de cabelo?

Apesar de surpreender alguns pacientes, a queda de cabelo após uma doença viral não é nada inédito. Viroses como zika e chikungunya e algumas pneumonias também costumam deixar essa sequela. 

A maior diferença é que, enquanto a maioria das doenças causa a queda capilar em 8 a 12 semanas, a Covid-19 pode fazer o cabelo começar a cair 6 a 8 semanas após a recuperação da doença.

Quem teve mais febre, quando o quadro estava ativo, por exemplo, deve ficar mais atento a possível queda capilar nas semanas seguintes.

Além da queda de cabelo, a infecção por coronavírus também pode provocar uma sensibilidade aumentada no couro cabeludo, chamada tricodínia. A orientação é buscar atendimento médico, pois há tratamento para estes casos.

Queda de cabelo como sequela do coronavírus: o que fazer

Se você já teve Covid-19 e notou uma queda mais acentuada dos fios, as seguintes recomendações podem ajudar: 

Mantenha os cuidados com o cabelo

Higienize os cabelos todos os dias, para reduzir o quadro inflamatório que a doença deixa como sequela.

Além disso, o eflúvio telógeno costuma vir acompanhado de outros sintomas, como descamação e coceira, que pioram com a sujidade e acúmulo de óleo. 

A higienização adequada do couro cabeludo, portanto, alivia e previne o aparecimento desses sintomas também.

Procure ter uma boa alimentação

Consuma alimentos ricos em proteínas, vitaminas C e D e minerais, como o ferro.

Lembre-se de que o seu cabelo é feito de queratina e, para que as células produzam essa proteína que dará estrutura aos fios, elas precisam desses nutrientes.

A propósito, evite tomar suplementos por conta própria. Qualquer ativo, que não esteja na natureza, em frutas e verduras, mas em cápsulas de alta concentração, deve ser prescrito pelo seu dermatologista. 

Cuide da sua saúde mental

É interessante controlar o estresse e promover hábitos que ajudem no bem-estar emocional. Mesmo sem viroses associadas, os transtornos mentais tendem a impactar muito negativamente na saúde capilar.

Busque um especialista

Se o cabelo continuar caindo bastante, mesmo seguindo tantas recomendações, procure seu  dermatologista.

Esse é o especialista que fará o tratamento adequado para o seu caso, além de medicações orais e tópicas  que podem deixar os fios mais fortes e saudáveis.

Adicionalmente, o médico fará o manejo adequado de doenças prévias que também podem agravar essa queda capilar. 

Mesmo com sequelas de Covid-19, é muito importante manter os cuidados com o cabelo. Lave os fios regularmente e faça a ingestão de alimentos que ajudem a sua saúde como um todo, incluindo a capilar.

Aproveite e continue por dentro dos tratamentos capilares lendo este artigo sobre cuidados com os cabelos masculinos!

Responsável técnico: 

Dra. Paula Chicralla (RQE 15402)

Imagem: Yan Krukov / Pexels

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clínica Paula Chicralla

Av. das Américas, 3500, Bloco 6, Loja C,
Barra da Tijuca, Rio de Janeiro - RJ, 22640-102.

  • Estacionamento valet disponível.
  • Acessibilidade para cadeirantes.
Traçar rota até a clínica